Personalidade e gosto musical

Estudo relaciona personalidade ao gosto musical
 
 

Um estudo da Universidade de Leicester traçou o perfil completo dos fãs de vários estilos musicais na Grã-Bretanha e descobriu que a coleção de CDs de alguém pode revelar muito mais sobre a personalidade do que se poderia imaginar.

Os pesquisadores afirmam, por exemplo, que mais de um em cada quatro apreciadores de música clássica já experimentaram maconha, e revelam que os maiores usuários de drogas não são os roqueiros, mas os que preferem a música eletrônica e o hip hop.

"Os fãs desses tipos de música fizeram mais pontos em criminalidade, promiscuidade sexual e uso de drogas", afirma Adrian North, que liderou a pesquisa.

Entre os 2,5 mil entrevistados para o estudo publicado na revista Psychology of Music, os admiradores de blues foram os que receberam mais multas de trânsito e os fãs de peças e filmes musicais se mostraram pacíficos e respeitadores das leis, além de demonstrarem um maior interesse em trabalhos voluntários.

Os participantes responderam perguntas sobre religião, habitação, educação, trabalho e hobbies, entre outras.

A pesquisa mostrou que as preferências musicais podem ser usadas como indicador de status financeiro, com os fãs de pop adulto e música clássica ocupando as camadas mais altas da sociedade britânica.

Quem ouve esse tipo de música também tende a pagar suas contas de cartão de crédito todo mês, ao contrário dos que preferem hip hop, rap e dance music.

O nível educacional também é um fator refletido nas escolhas musicais. Pessoas que obtiveram títulos de mestrado ou doutorado, por exemplo, têm mais chances de apreciar ópera, jazz, blues e música clássica.

Fonte: www.bbc.co.uk

http://www.redepsi.com.br/portal/modules/news/article.php?storyid=3135

Olha quem fala

   A Apple não pára de lançar versões melhoradas dos seus mp3 e apresentou recentemente a terceira geração do mais pequeno leitor da familia iPod: o Shuffle. Através da função VoiceOver, este novo aparelho consegue «dizer» os nomes das músicas e dos artistas e, tal como nas anteriores versões, escolhe as músicas aleatoriamente. Os controlos estão agora no cordão dos auscultadores, o que facilita a sua utilização. Armazena até 4Gb (cerca de mil músicas), fala 14 línguas (do português ao mandarim) e está disponível em prateado e preto, por 75€, em www.apple.com/pt.

FONTE: Notícias Sábado

Adeus, CD

   Foi há precisamente três décadas, em Eindhoven, na Holanda, que técnicos da Philips extraíram a tecnologia de discos a laser como parte de uma demonstração de disco óptico de aúdio digital. Nasceram os discos compactos. Três décadas depois de terem surpreendido o mercado, os CD estão prestes a entrar em desuso e a transformarem-se, por exemplo, em simples portacopos. Agora são os mp3, iPod e DVD que se afirmam no mundo audiovisual e até os discos de vinil estão a viver uma segunda juventude, por via da cultura DJ e do coleccionismo.

FONTE: Notícias Sábado

Nostalgia musical

   A música tem chegado ao grande público em diferentes suportes ao longo dos tempos. As «revoluções» têm sido mais ou menos frequentes e nem sempre é fácil fazer a ponte entre os formatos que ficaram para trás e as novas tecnologias. A marca japonesa Denon lançou um gira-discos (DP-200USB) totalmente automático que passa para formato MP3 os velhinhos discos de vinil. A utilização é simples: basta pôr a tocar um disco e introduzir uma pen na porta USB para passar o conteúdo para o formato digital. O sucesso foi tão grande no Japão e EUA que só agora (depois de recuperar a capacidade de produção) chegou ao mercado europeu (está à venda em Portugal por 239€).

FONTE: Notícias Sábado